Sicoob é parceiro em projeto de compartilhamento de bicicletas

bicicletaO Sicoob ES é parceiro da Prefeitura de Vitória no projeto de compartilhamento de bicicletas que começa a funcionar em maio. O Bike Vitória vai ser integrado por 200 bicicletas para aluguel em 20 pontos da cidade. O sistema funcionará todos os dias, das 6 às 23h, para retirada dos veículos, que poderão ser devolvidos em qualquer horário.

As estações do Bike Vitória serão movidas a energia solar, e vão ser instaladas nos eixos Camburi-Praia do Canto e São Pedro-Centro, com dez pontos de aluguel em cada uma. Inicialmente, vão funcionar cinco estações e 50 bicicletas. As demais serão disponibilizadas até julho deste ano.

As bicicletas são de fabricação 100% nacional, pesam em torno de 16 quilos, têm quadro em alumínio, três marchas, selins com altura regulável, guidão emborrachado, acessórios de sinalização e sistema de identificação e trava eletrônica.

Como vai funcionar

Um aplicativo poderá ser baixado pelas pessoas interessadas em usar as bicicletas integradas ao Bike Vitória. Também será possível acessar pela internet o site do projeto, que será lançado até a inauguração.

Após fazer o cadastro, informar os dados do cartão de crédito e realizar o pagamento, o ciclista estará habilitado a usar o sistema. A contratação também poderá ser feita por telefone. Serão disponibilizados três tipos de passe para o aluguel da bicicleta: diário (R$ 5,40), mensal (R$ 10,80) e anual (R$ 67,50).

De segunda-feira a sábado, a pessoa pode alugar a bicicleta e usar até 60 minutos. Depois disso, se quiser usar mais, deve devolver a bicicleta em uma estação, esperar 15 minutos e pegar novamente, sem pagar nada a mais.

Aos domingos e feriados o aluguel também funciona assim, mas os usuários podem ficar com a bicicleta por mais tempo antes de procurar uma estação: 90 minutos.

Segurança e manutenção

Todas as bicicletas do sistema serão monitoradas por uma Central de Atendimento, através de um chip de localização. De acordo com a Samba Transportes Sustentáveis, com o chip é possível detectar movimentos de furto na estação e, através do cadastro prévio feito usuário, a Central pode monitorar eventuais roubos durante a utilização.

A Central também organiza a distribuição das bicicletas e reposição nas estações. Também está prevista a instalação de uma oficina de manutenção na cidade, para a montagem e recuperação dos equipamentos.

Estações já definidas

1. Orla de Camburi, em frente à avenida Adalberto Simão Nader, na Mata da Praia;

2. Orla de Camburi, em frente à rua Aristóbolo Barbosa, em Jardim da Penha (próximo ao Sicoob);

3. Orla de Camburi, em frente à rua Eugenílio Ramos, em Jardim da Penha;

4. Quadra entre as ruas Manoel Gonçalves e João da Cruz, na Praia do Canto (próximo a Unimed);

5. Praça dos Namorados

Cooperativas de crédito crescem mais rápido que bancos em 2015

Alta capilaridade e taxas mais competitivas num momento de juros em níveis recordes impulsionaram crescimento

crescimento

As cooperativas de crédito brasileiras tiveram crescimento dos financiamentos em ritmo superior ao do sistema bancário do país em 2015, aproveitando-se da alta capilaridade e da oferta de taxas mais competitivas num momento de juros em níveis recordes.

Maior do país no setor, com cerca de 3,2 milhões de sócios, o Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) fechou o ano passado com R$ 34,7 bilhões em crédito, alta de 9,2% ante 2014. Também com mais de 3 milhões de cooperados, o Sicredi viu sua carteira subir 8,1% no período, a R$ 30,6 bilhões.

O estoque de crédito do sistema financeiro do país subiu 6,6% em 2015, pior evolução da série histórica iniciada em 2007 pelo Banco Central. Se considerado apenas o crédito livre, que desconsidera os financiamentos direcionados, como para habitação e rural, o avanço foi ainda menor, de 3,7%.

Dado o relacionamento mais próximo com os tomadores em relação ao que ocorre na média do setor bancário, as cooperativas também têm conseguido manter níveis de calotes inferiores aos dos bancos de varejo, embora também tenham piorado com a recessão do país.

No Sicoob, o índice de inadimplência acima de 90 dias, subiu de 1,7% para 2,5% no ano passado. No Sicredi, o índice passou de 1,99% para 2,4%. A média do sistema financeiro do país era de 3,4% no fim de 2015.

Diante da retração no setor bancário, as cooperativas estão aproveitando para expandir a oferta de serviços financeiros, incluindo cartões de crédito, consórcios, previdência e seguros.

Mesmo em caderneta de poupança, Sicoob e Sicredi conseguiram captação positiva no ano passado, na contramão do mercado.

Segundo o presidente do Sicoob, Henrique Castilhano Vilares, esses números podem revelar que as cooperativas têm conseguido um relacionamento mais próximo e personalizado com os tomadores de crédito e serviços financeiros do que os bancos.

“Diferente das instituições financeiras convencionais, os resultados das cooperativas retornam para o associado”, disse Vilares em documento enviado à Reuters. O Sicoob se apresenta como a sétima maior instituição financeira do país, com um patrimônio líquido de R$ 13,88 bilhões.

Fonte: Por Aluísio Alves – Reuters